quinta-feira, dezembro 16, 2010

A Miragem


FÈLIX CUCURULL
trad. Manuel de Seabra
capa de Agostinho de Castro
direcção gráfica do arquitecto António de Macedo


Lisboa, 1959
ed. tradutor
Clube Bibliográfico Editex, Lda. (distribuidor)
1.ª edição
19,3 cm x 12,4 cm
220 págs.
exemplar em bom estado de conservação; miolo limpo
[as manchas visíveis na capa acima reproduzida são parte integrante do seu desenho]
assinatura de posse na pág. 5
20,00 eur



pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

O Deserto


FÈLIX CUCURULL
prefácio de Fernando Namora
trad. Albertina de Sousa Dias
capa de João da Câmara Leme

Lisboa, 1965
Portugália Editora
1.ª edição
19,3 cm x 13,1 cm
188 págs.
exemplar estimado; miolo limpo
20,00 eur

Do Prefácio:
«[...] A literatura [do catalão] Fèlix Cucurull é uma literatura descarnada, dir-se-ia ascética: feita de palavras ásperas que, para quem as saiba ouvir, para quem as saiba ler, vibram como cordas retesadas; feita de uma grave simplicidade; feita de um pudor que reprime a fácil emoção, dirigindo-se sem coacções aos nervos e sobretudo à consciência do leitor. [...]»


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089


Fèlix Cucurull


FÈLIX CUCURULL
trad. e prefácio de Manuel de Seabra

[capa de Victor Palla ?]

Coimbra, 1959
Atlântida – Livraria Editora, Ld.ª
[1.ª edição]
21,2 cm x 15,3 cm
200 págs. + 1 folha em extra-texto
exemplar em bom estado de conservação
20,00 eur

Da nota editorial na badana:
«[...] “Se tens um monstro escreve-o”, disse um dia Goethe no seu exílio de Weimar. As páginas deste volume são o “monstro” de Cucurull, monstro angustiante que nos seus famosos romances A Miragem e O Silêncio e o Medo assume características de epopeia – a grande epopeia do homem do nosso tempo, prisioneiro de um mundo que ainda não entende.»


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

quarta-feira, julho 28, 2010

Os Elementos da Ethica de João Gottlieb Heineccio [...]



MIGUEL CARDOSO

Coimbra, 1792
Na Real Imprensa da Universidade
[1.ª edição]
14,9 cm x 10,2 cm
6 págs. + 232 págs.
subtítulo: [...] Com as suas notas, Interpretados e traduzidos, que Ao Illuftriffimo, e Excellentiffimo Senhor Fernando da Costa de Ataide e Teive de Souza Coutinho, do Confelho de Sua Mageftade, Tenente General dos feus Exercitos com o Governo das Armas da Provincia da Beira, Commendador de Rebaldeira na Ordem de S. Thiago, Senhor Donatario dos Confelhos de Baiaõ, e S. Chriftovaõ de Nogueira, e dos Foros do Lamegal, &c. &c. &c.
encadernação da época inteira em pele, sem nervuras, com discretos ferros a ouro na lombada
miolo em muito bom estado de conservação; extensos sinais de traça na pele tal como mostra a imagem junto
45,00 eur

Trata-se de um estudo acerca daquele que foi, na primeira metade do século XVIII, um mestre fundador da filosofia jurídica, entendida esta enquanto conjunto de princípios objectivos do Direito. Johann Gottlieb Heineccius viveu entre 1681 e 1741, e pode ser considerado o jurista de referência para a Europa.


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

Institutionum Imperialium Commentarius Academicus, et Forensis... [junto com] Selectarum Juris Quæstionum...



ARNOLDI VINNII
Gottl. Heineccius recensuit, & præfationem notulasque adjecit


Veneza, 1768
Typis Antonii Graziosi
[s.i. (a 1.ª edição é do século XVII)]
4 livros em 2 tomos + 2 livros (tomo III) encadernados em 2 volumes
23,8 cm x 19,5 cm
[XXXII págs. + 536 págs.] + [IV págs. + 452 págs. + VIII págs. + 172 págs.]
encadernações homogéneas de época inteiras em pele mosqueada com nervuras e vinhetas gravadas a ouro nas lombadas; perderam ambos os rótulos
exemplares em estado muito razoável de conservação, miolo limpo
assinatura de posse rasurada no frontispício do tomo I
180,00 eur

Obra redigida em latim, de vasto interesse jurídico. Do autor diz-nos o Diccionario Popular, historico, geographico, mythologico, biographico, artistico, bibliographico e litterario (dir. Manoel Pinheiro Chagas), 13.º vol., Typographia da Viuva Sousa Neves, Lisboa, 1884:
«[...] Jurisconsulto e professor hollandez, n. em 1588 e m. em 1657. Tendo estudado durante alguns annos a legislação romana e as leis do seu paiz, começou em 1615 a publicar alguns trabalhos sobre o direito romano, nos quaes se affastou da rotina, e em que apesar de não descobrir o systema que 150 annos depois tornou conhecidos os nomes de Hugo, Hubold e Savigny seguiu chronologicamente as mudanças da lei romana, e os seus progressos e tendencias sempre elevadas, especialmente sob o influxo do christianismo, regeitando o estudo litteral dos textos.
[...] pela sua erudição profunda e variada, pela sua eloquencia e pela sua logica severa era considerado um dos mais distinctos professores e pelo seu methodo racional, e pelas suas descobertas pessoaes era considerado superior a todos.
Vinnius que [...] os seus compatriotas tinham na conta de primeiro entre todos os jurisconsultos d’essa epoca recusou todas as honras, e não querendo nunca deixar o magisterio quando já muito cansado não podia fazer cursos regulares, presidia a conferencias em que os discipulos discutiam sob a sua presidencia, pontos difficeis de direito. [...]»


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, março 30, 2010

O Apelo do Mar


ALEXANDRE GRINE
trad. de Raul de Carvalho

capa de Sebastião Rodrigues

Lisboa, 1961
Editora Arcádia Limitada
[1.ª edição]
18 cm x 10,9 cm
260 págs.
exemplar manuseado mas em razoável estado de conservação, miolo limpo
17,00 eur (IVA e portes incluídos)

De seu nome completo Alexander Stefanovich Grinevsky, a pátria soviética, apesar do seu envolvimento revolucionário anti-czarista, deixou-o morrer na miséria, em 1932, e no não reconhecimento da sua escrita romântica e de tom fantástico.

pedidos para:
telemóvel: 919 746 089

terça-feira, março 02, 2010

Diálogos




CARLOS SOMBRIO

Seia, s.d. [1941]
Tip. «Montes Hermínios»
1.ª edição
18,7 cm x 11,8 cm
146 págs.
encadernação modesta em sintético com discretos ferros a ouro na lombada; o miolo ostenta uma paginação invulgar
sem capas de brochura
COM DEDICATÓRIA DO AUTOR
17,00 eur

De seu verdadeiro nome António Augusto Esteves, era natural da Figueira da Foz, onde deixou memória – para além da literária – também como relojoeiro-joalheiro, e sobretudo como dinamizador cultural de colectividades populares locais. Como escritor-biógrafo, o seu livro, de 1942, Beldemónio, Nome Imortalisado por uma Obra Vivida entre a Rebeldia e o Talento continua a ser o único suporte para o conhecimento da atribulada vida de Eduardo de Barros Lobo.


pedidos para:
telemóvel: 919 746 089